QUEM SÃO OS DEPUTADOS ESTADUAIS DO PARANÁ? UMA ANÁLISE DO PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS PARLAMENTARES ELEITOS PARA AS 18ª E 19ª LEGISLATURAS DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARANÁ

Breno Ramos Guimarães Martins

Resumo


Este artigo tem como objeto de estudo a elite política na arena parlamentar estadual e tem como objetivo principal analisar o perfil socioeconômico dos Deputados Estaduais do Paraná eleitos para a 18ª e 19ª legislaturas da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (ALEP). O propósito deste artigo é identificar e comparar o perfil socioeconômico dos parlamentares paranaenses, tal como Perissinotto e Costa (2007) realizaram durante as 13ª e 14ª legislaturas, e verificar se ocorreram, agora, mudanças no perfil socioeconômico dos deputados estaduais do Paraná eleitos para a 18ª e 19ª legislaturas da ALEP. A partir de uma pesquisa exploratória realizamos uma breve revisão da literatura sobre elites políticas e utilizamos, também, de uma pesquisa empírica-descritiva com base nos dados das eleições de 2014 e 2018 disponíveis nos sistemas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que permitiram analisar o perfil socioeconômico dos parlamentares paranaenses eleitos nas duas últimas legislaturas da ALEP. A análise das variáveis sobre gênero, cor, naturalidade, idade, escolaridade, ocupação e partido político eleito, permitiu investigar, analisar e comparar o perfil socioeconômico dos deputados estaduais do Paraná eleitos para as recentes legislaturas. Os resultados encontrados são de uma maioria parlamentar de homens, brancos, nascidos em municípios do interior do Paraná, média de idade de 49 anos, com nível superior completo, tendo a ocupação de “deputado” e eleitos por 20 partidos diferentes.

Palavras-chave


Deputados estaduais. Elites políticas. Paraná. Poder Legislativo.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Clara. Partidos políticos e gênero: mediações nas rotas de ingresso das mulheres na representação política. Revista de Sociologia e Política, Curitiba: UFPR, n. 24, jun., 2005, p. 193-215. Disponível em: http://www.redalyc.org./articulo.oa?id=23802413 Acesso em: 10 fev. 2020.

BOLOGNESI, Bruno; PERISSINOTTO, Renato Monseff; CODATO, Adriano. Reclutamiento político en Brasil: Mujeres, negros y partidos en las elecciones federales de 2014. Revista mexicana de ciencias políticas y sociales. vol. 61, n. 226, México, ene./abr., 2016.

BRASIL. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988. Brasília, DF, 5 outubro 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm Acesso em 10 jun. 2020.

BRASIL. LEI COMPLEMENTAR Nº 14, DE 8 DE JUNHO DE 1973. Brasília, DF, jun. 1973. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/Lcp14.htm Acesso em 10 jun. 2020.

CAMPOS, Luiz Augusto; e MACHADO, Carlos. A cor dos eleitos: determinantes da sub-representação política dos não brancos no Brasil. Revista Brasileira de Ciência Política. Brasília, n. 16, jan.-abr., 2015, p. 121-151. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151606 Acesso em 7 mar. 2020.

CAMPOS, Luiz Augusto; e MACHADO, Carlos. O que afasta pretos e pardos da representação política? Uma análise a partir das eleições legislativas de 2014. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, UFPR, vol. 25, n. 61, mar., 2017, p. 125-141. Disponível em: http://www.redalyc.org./articulo.oa?id=23850131007 Acesso em 17 fev. 2020.

CODATO, Adriano. Metodologias para a identificação de elites: três exemplos clássicos. In: PERISSINOTO, Renato; CODATO, Adriano (orgs.). Como estudar elites. Curitiba: Ed. UFPR, 2015. cap. 1, p. 15-30.

GRYNSZPAN, Mario. A teoria das elites e sua genealogia consagrada. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais BIB, Rio de Janeiro, n. 41, p. 35-83, 1996. Disponível em: http://www.anpocs.com/index.php/edicoes-anteriores/bib-41/462-a-teoria-das-elites-e-sua-genealogia-consagrada/file Acesso em: 7 jun. 2020.

HORTA, Cláudia J. G.; DUFLOTH, Simone Cristina; FREITAS, Diego R. R. Características socioeconômicas da população e de seus representantes eleitos nas assembleias legislativas: análise de convergência entre perfis. Revista do Serviço Público - RSP, v. 67, n. 4, p. 525-554, Brasília: ENAP, out. 2016. Disponível em: https://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/2934/2/Caracter%c3%adsticas%20socioecon%c3%b4micas%20da%20popula%c3%a7%c3%a3o%20e%20de%20seus%20representantes%20eleitos.pdf Acesso em 11 jun. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC). Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/pesquisa/1007064506 Acesso em 7 jun. 2020.

LIMONGI, Fernando; VASSELAI, Fabricio. Coordenando candidaturas: coligações e fragmentação partidária nas eleições gerais brasileiras. 10º Encontro da Associação Brasileira de Ciência Política, Belo Horizonte, Associação Brasileira de Ciência Política. Disponível em: http://bibliotecadigital.tse.jus.br/xmlui/bitstream/handle/bdtse/5737/2016_limongi_coordenando_candidaturas_coligacoes.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 10 jun. 2020.

NORRIS, Pipa. Recrutamento político. Revista de Sociologia Política. v. 21, n. 46, 11-32, jun., 2013. Disponível em: http://doi.org/10.1590/S0104-44782013000200001. Acesso em: 10 jun. 2020.

PARANÁ. (1974). Lei 6.517, de 02 de janeiro de 1974. Curitiba, PR, jan. 1974. Disponível em: http://portal.assembleia.pr.leg.br/modules/mod_legislativo_arquivo/mod_legislativo_arquivo.php?leiCod=31108&tipo=L&tplei=0 Acesso em: 11 jun. 2020.

PERISSINOTO, Renato Monsef; COSTA, Luiz Domingos; MASSIMO, Lucas. As elites políticas: questões de teoria e método. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: InterSaberes, 2018.

PERISSINOTO, Renato M.; COSTA, Luiz Domingos. O perfil dos parlamentares paranaenses: gênero, religião e classe (1995-2002). In: PERISSINOTO, Renato [et. al.] Quem governa?: um estudo das elites políticas do Paraná. Curitiba: Editora UFPR, 2007. cap. 2, p. 69-91.

PERISSINOTO, Renato; COSTA, Luiz Domingos; TRIBESS, Camila. Origem social dos parlamentares paranaenses (1995-2006): alguns achados e algumas questões de pesquisa. Sociologias, n. 22, Porto Alegre, jul./dez., 2009. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-45222009000200011 Acesso em 07 jun. 2020.

PRATTI, Luana Puppin; PESSINE, Karina Melo; CAMPOS, Mauro Macedo. Perfil socioeconômico dos legisladores subnacionais: o que a reeleição trouxe de mudanças nas últimas legislaturas da Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo. Revista Agenda Política, UFSCar, vol. 4, n.3, set./dez., 2016. Disponível em: http://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/download/111/105 Acesso em 7 jun. 2020.

RODRIGUES, Leôncio Martins. (2002). Partidos, ideologia e composição social. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol. 17, n. 48. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092002000100004 Acesso em 11 jun. 2020.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL – TSE. Estatísticas Eleitorais. Disponível em: http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/repositorio-de-dados-eleitorais. Acesso em: Acesso em 20 maio 2020.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL – TSE. Resolução 23.553, Brasília, 2017. Disponível em: http://www.tse.jus.br/legislacao-tse/res/2017/RES235532017.html Acesso em 20 maio 2020.

TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL – TSE. Sistema de Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais. Disponível em: http://divulgacandcontas.tse.jus.br/divulga/#/ Acesso em 20 maio 2020.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Editora Cultrix, 2011. p. 78-79.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Legislativo Paranaense ISSN 2595-6957

Indexado em:

Google Acadêmico